Organizações

El Vikio de Portugala Esperanto-Asocio
Iri al: navigado, serĉi

Enhavo

Associações nacionais, regionais, locais

iama enhavo en
asocioj2.htm

Dispersos por todo o mundo, os esperantófonos têm uma necessidade vital de estarem minimamente organizados em diversas associações, pelo menos para assegurar o contacto entre si. Para além das organizações especializadas, ideológicas ou confessionais (ver abaixo), desempenham um papel essencial no seio do movimento as associações territoriais, que funcionam a nível nacional, regional e supra­‑nacional.

Para além de congregarem os esperantófonos de uma dada região, garantem uma série de serviços básicos à comunidade esperantista, como sejam a veiculação de informação, tipicamente de uma presença na internet e da edição de um boletim, ou intermediar diversos bens e serviços, especialmente a manutenção de bibliotecas e similares, a venda de livros, assinatura de periódicos e participação em congressos e encontros.

Naturalmente, estas associações, desde os milhares de clubes locais até à Associação Universal de Esperanto, funcionam independentemente dos Estados, elegendo internamente os seus órgãos sociais e definindo autonomamente a sua estratégia — com excepção de alguns países, como Cuba ou, durante a Guerra Fria, toda a Europa de Leste, onde os esperantistas eram “arregimentados” sob organizações­‑“této”, com dirigentes nomeados e planos de acção subordinados a uma determinada política estatal. O verso da moeda era, nestes casos, o volumoso apoio oficial concedido às associações esperantistas, que contrastava com a situação vivida no resto do mundo, onde os subsídios estatais são geralmente pouco abundantes.

Para além de servirem de elo de ligação entre os seus sócios e destes com os esperantistas do resto do mundo — tanto mantendo como estimulando esses mesmos contactos —, e de outras formas promover a utilização do esperanto, as associações esperantistas dedicam­‑se fundamentalmente também à “criação” de novos esperantistas, tanto na informação sobre o esperanto junto do grande público, como, junto dos entretanto interessados, no ensino da língua — seja através da organização directa de cursos, do patrocínio destes no seio doutras instituições (escolas et c.), ou do fornecimento de material autodidático e respectivo apoio.

São igualmente as associações de esperanto o repositório habitual da “memória colectiva” do movimento, concentrando­‑se nos seus pergaminhos marcas da já centenária História do esperanto.

Em Portugal

A Associação Portuguesa de Esperanto, fundada em 1972 após um longo processo de reabilitação do esperanto aos olhos do Governo de então, é bastante representativa das várias dezenas doutras que congregam cerca de 60 000 esperantistas em todo o mundo. Com uma massa associativa abaixo de meio milhar, a sua estrutura representa, resulta e molda a fase actual do esperanto em Portugal, caracterizado por um fosso geracional muito pronunciado (com picos da massa associativa nas faixas etárias dos 70 e dos 20 anos, devidos a uma dinâmica recente após um longo marasmo), e uma concentração macrocéfala na região de Lisboa.

Paradigma refinado de uma preferência constante pela qualidade em detrimento da quantidade — um traço característico do Esperanto a nível global —, o movimento esperantista português, tem­‑se caracterizado (intencional ou fortuitamente) pela elevado nível atingido nas suas, de resto escassas, actividades.

Associações especializadas

iama enhavo en
asocioj.htm

Nota: Esta lista destina-se apenas a apresentar a quantidade e diversidade das formas e temáticas de agremiação dos esperantófonos, não estando necessariamente completa.

Artísticas

Académicas

de Passatempos

Desportivas

Profissionais

de Estilo de Vida

Outras

Lóbis

Associações Político-Ideológicas

Vd. artigo principal: Política em Esperanto

Associações Religiosas

Vd. artigo principal: Religião em Esperanto
Personaj iloj
Nomspacoj
Variantoj
Agoj
Navigado
Iloj