Zamenhof: Malsamoj inter versioj

El Vikio de Portugala Esperanto-Asocio
Jump to navigation Jump to search
(El w3pea.xls, konvertita)
 
e
 
(2 mezaj versioj de la sama uzanto ne montriĝas)
Linio 1: Linio 1:
'''''Alocução de encerramento proferida nas comemorações do 134º aniversário do nascimento de Ludwik {{ĉefnom|Z|amenhof}}, 1993.12.10, Palácio Foz, Lisboa, por António {{ĉefnom|M|artins}}'''''
+
{{old|zamenhof}}
 +
'''''Alocução de encerramento proferida nas comemorações do 134º aniversário do nascimento de Ludwik {{ĉefnom|Z|amenhof}}, 1993.12.10, Palácio Foz, Lisboa, por António {{ĉefnom|M|artins}}:'''''
  
Ludwik {{ĉefnom|Z|amenhof}} nasceu há 134 anos{{eksdat}} na cidade de Białystok. É sobejamente conhecida a história de como as rivalidades étnicas naquela cidade, naquele ambiente de fim­‑de­‑império, influenciaram decisivamente o pensamento deste homem, então criança, e influenciaram também a consequente criação da língua: russos, polacos, judeus, bielorussos, lituanos, ciganos… não se entendem. Odeiam­‑se por não se entenderem. Se se entendessem, se se conhecessem, talvez não se odiassem. Talvez não fosse possível fazê­‑los odiarem­‑se uns aos outros.
+
<blockquote>
 +
Ludwik {{ĉefnom|Z|amenhof}} nasceu há 134 anos{{eksdat}} na cidade de Białystok. É sobejamente conhecida a história de como as rivalidades étnicas naquela cidade, naquele ambiente de fim­‑de­‑império, influenciaram decisivamente o pensamento deste homem, então criança, e influenciaram também a consequente criação da língua: russos, polacos, judeus, bielorussos, lituanos, ciganos… não se entendem. Odeiam­‑se por não se entenderem. Se se entendessem, se se conhecessem, talvez não se odiassem. Talvez não fosse possível fazê­‑los odiarem­‑se uns aos outros.</blockquote>
  
Durante muito tempo, toda esta questão não foi mais que uma fábula para o nosso Portugal mono­‑étnico, país apagado e bem­‑comportado num mundo de dois blocos. Eis que, súbita e inesperadamente{{eksdat}}, entra a realidade pela porta das traseiras (como sempre), trazendo às nossas conversas de café aquilo que nunca tinha de facto perdido a importância: a diversidade das culturas deste nosso pequeno/grande planeta. Regresa ao primeiro plano envolta no pior dos seus sub­‑produtos: a guerra. Hoje, mais do que nunca, o papel do esperanto como agente de “ecologia” linguística — aquilo a que Zamenhof chamou «neutralidade» — assume importância fulcral. É esta a sua mais importante característica — a facilidade, a simplicidade, a internacionalidade… são simples instrumentos para optimizar tecnicamente o papel do '''esperanto: segunda língua de cada povo'''.
+
<blockquote>Durante muito tempo, toda esta questão não foi mais que uma fábula para o nosso Portugal mono­‑étnico, país apagado e bem­‑comportado num mundo de dois blocos. Eis que, súbita e inesperadamente{{eksdat}}, entra a realidade pela porta das traseiras (como sempre), trazendo às nossas conversas de café aquilo que nunca tinha de facto perdido a importância: a diversidade das culturas deste nosso pequeno/grande planeta. Regresa ao primeiro plano envolta no pior dos seus sub­‑produtos: a guerra. Hoje, mais do que nunca, o papel do esperanto como agente de “ecologia” linguística — aquilo a que Zamenhof chamou «neutralidade» — assume importância fulcral. É esta a sua mais importante característica — a facilidade, a simplicidade, a internacionalidade… são simples instrumentos para optimizar tecnicamente o papel do '''esperanto: segunda língua de cada povo'''.</blockquote>
  
Não língua universal, note­‑se: mas sim língua “'''inter­‑nacional'''”. Por que aquilo que divide e diferencia os homens — que causa hoje{{eksdat}} de novo guerras sangrentas — é simultaneamente aquilo que leva cada um de nós a querer viajar, a querer conhecer o seu (dis­‑)semelhante — quiçá, a aprender esperanto. Nada seria pior que um mundo culturalmente homogéneo. Aí os motivos e “justificações” para a guerra seriam bem outros. A diversidade cultural é pois uma herança a preservar e assumir, sendo o esperanto ponte privilegiada que permite atravessar sem esforço essas barreiras, oferecendo simultaneamente o gáudio da paisagem multiforme dessa mesma diversidade.
+
<blockquote>Não língua universal, note­‑se: mas sim língua “'''inter­‑nacional'''”. Por que aquilo que divide e diferencia os homens — que causa hoje{{eksdat}} de novo guerras sangrentas — é simultaneamente aquilo que leva cada um de nós a querer viajar, a querer conhecer o seu (dis­‑)semelhante — quiçá, a aprender esperanto. Nada seria pior que um mundo culturalmente homogéneo. Aí os motivos e “justificações” para a guerra seriam bem outros. A diversidade cultural é pois uma herança a preservar e assumir, sendo o esperanto ponte privilegiada que permite atravessar sem esforço essas barreiras, oferecendo simultaneamente o gáudio da paisagem multiforme dessa mesma diversidade.</blockquote>
  
O esperanto — língua viva! Um fascinante fenómeno sócio­ e psico­‑linguístico: uma comunidade de falantes bilingues não étnica, não territorial, e voluntária — que ao longo de 106 anos{{eksdat}} transforma o projecto de Ludwik {{ĉefnom|Z|amenhof}} numa realidade imparável — viva nos congressos, debates, conferências; viva nos teatros de fantoches, torneios de xadrês, partidas de R.P.G.; viva nas terminologias, semióticas, informáticas; viva em saudades de velhos amigos juntos por décadas e separados por megâmetros; viva em casais mistos e internacionais recreios; viva na vivência hoje de uma verdadeira comunicação internacional — a uma escala pequena, mas de ano para ano crescente em quantidade e qualidade.
+
<blockquote>O esperanto — língua viva! Um fascinante fenómeno sócio­ e psico­‑linguístico: uma comunidade de falantes bilingues não étnica, não territorial, e voluntária — que ao longo de 106 anos{{eksdat}} transforma o projecto de Ludwik {{ĉefnom|Z|amenhof}} numa realidade imparável — viva nos congressos, debates, conferências; viva nos teatros de fantoches, torneios de xadrês, partidas de R.P.G.; viva nas terminologias, semióticas, informáticas; viva em saudades de velhos amigos juntos por décadas e separados por megâmetros; viva em casais mistos e internacionais recreios; viva na vivência hoje de uma verdadeira comunicação internacional — a uma escala pequena, mas de ano para ano crescente em quantidade e qualidade.</blockquote>
  
O que havia na ''Lingvo universala'' de [[1887]] que falta num milhar de protótipos que nunca passaram de tal? Que fez Zamenhof que falhou aos seus antecessores e sucessores? Talvez nada de especial. Talvez o acaso apenas nos tenha trazido hoje aqui. Seja como for, 134 anos depois{{eksdat}}, não é possível deixar de admirar aquele rapaz tímido e introvertido, aquele homenzinho fumador e modesto — o impulsionador primeiro do '''esperanto, segunda língua de cada povo'''.
+
<blockquote>O que havia na ''Lingvo universala'' de [[1887]] que falta num milhar de protótipos que nunca passaram de tal? Que fez Zamenhof que falhou aos seus antecessores e sucessores? Talvez nada de especial. Talvez o acaso apenas nos tenha trazido hoje aqui. Seja como for, 134 anos depois{{eksdat}}, não é possível deixar de admirar aquele rapaz tímido e introvertido, aquele homenzinho fumador e modesto — o impulsionador primeiro do '''esperanto, segunda língua de cada povo'''.</blockquote>
 +
 
 +
==Ligações externas==
 +
 
 +
*[http://pt.wikipedia.org/wiki/Zamenhof Zamenhof], na wikipédia em português

Nuna versio ekde 16:26, 7 jul. 2011

iama enhavo en
zamenhof.htm

Alocução de encerramento proferida nas comemorações do 134º aniversário do nascimento de Ludwik Zamenhof, 1993.12.10, Palácio Foz, Lisboa, por António Martins:

Ludwik Zamenhof nasceu há 134 anos{{#if: | [eble ne plu aktuala] | [poss. desatu.] }} na cidade de Białystok. É sobejamente conhecida a história de como as rivalidades étnicas naquela cidade, naquele ambiente de fim­‑de­‑império, influenciaram decisivamente o pensamento deste homem, então criança, e influenciaram também a consequente criação da língua: russos, polacos, judeus, bielorussos, lituanos, ciganos… não se entendem. Odeiam­‑se por não se entenderem. Se se entendessem, se se conhecessem, talvez não se odiassem. Talvez não fosse possível fazê­‑los odiarem­‑se uns aos outros.

Durante muito tempo, toda esta questão não foi mais que uma fábula para o nosso Portugal mono­‑étnico, país apagado e bem­‑comportado num mundo de dois blocos. Eis que, súbita e inesperadamente{{#if: | [eble ne plu aktuala] | [poss. desatu.] }}, entra a realidade pela porta das traseiras (como sempre), trazendo às nossas conversas de café aquilo que nunca tinha de facto perdido a importância: a diversidade das culturas deste nosso pequeno/grande planeta. Regresa ao primeiro plano envolta no pior dos seus sub­‑produtos: a guerra. Hoje, mais do que nunca, o papel do esperanto como agente de “ecologia” linguística — aquilo a que Zamenhof chamou «neutralidade» — assume importância fulcral. É esta a sua mais importante característica — a facilidade, a simplicidade, a internacionalidade… são simples instrumentos para optimizar tecnicamente o papel do esperanto: segunda língua de cada povo.

Não língua universal, note­‑se: mas sim língua “inter­‑nacional”. Por que aquilo que divide e diferencia os homens — que causa hoje{{#if: | [eble ne plu aktuala] | [poss. desatu.] }} de novo guerras sangrentas — é simultaneamente aquilo que leva cada um de nós a querer viajar, a querer conhecer o seu (dis­‑)semelhante — quiçá, a aprender esperanto. Nada seria pior que um mundo culturalmente homogéneo. Aí os motivos e “justificações” para a guerra seriam bem outros. A diversidade cultural é pois uma herança a preservar e assumir, sendo o esperanto ponte privilegiada que permite atravessar sem esforço essas barreiras, oferecendo simultaneamente o gáudio da paisagem multiforme dessa mesma diversidade.

O esperanto — língua viva! Um fascinante fenómeno sócio­ e psico­‑linguístico: uma comunidade de falantes bilingues não étnica, não territorial, e voluntária — que ao longo de 106 anos{{#if: | [eble ne plu aktuala] | [poss. desatu.] }} transforma o projecto de Ludwik Zamenhof numa realidade imparável — viva nos congressos, debates, conferências; viva nos teatros de fantoches, torneios de xadrês, partidas de R.P.G.; viva nas terminologias, semióticas, informáticas; viva em saudades de velhos amigos juntos por décadas e separados por megâmetros; viva em casais mistos e internacionais recreios; viva na vivência hoje de uma verdadeira comunicação internacional — a uma escala pequena, mas de ano para ano crescente em quantidade e qualidade.

O que havia na Lingvo universala de 1887 que falta num milhar de protótipos que nunca passaram de tal? Que fez Zamenhof que falhou aos seus antecessores e sucessores? Talvez nada de especial. Talvez o acaso apenas nos tenha trazido hoje aqui. Seja como for, 134 anos depois{{#if: | [eble ne plu aktuala] | [poss. desatu.] }}, não é possível deixar de admirar aquele rapaz tímido e introvertido, aquele homenzinho fumador e modesto — o impulsionador primeiro do esperanto, segunda língua de cada povo.

Ligações externas